Apagão da autoridade

A multiplicação de crimes na família tem deixado a opinião pública em estado de choque. Paira no ar a mesma pergunta que Fellini pôs na boca de um dos personagens do seu filme Ensaio de Orquestra, quando, ao contemplar o caos que tomara conta dos músicos após a destituição do maestro, pergunta, perplexo: "Como é que chegamos a isto ? " A interrogação está subjacente nas respostas de todos nós, leitores de texto, que, atordoados, tentamos encontrar respostas para uma escalada de maldade que tomou conta do cotidiano.
A tragédia que tem fustigado algumas famílias aparece tingida por marcas típicas da atual crônica policial: uso de drogas, dissolução da família e crise de autoridade. Não sou juiz de ninguém, mas minha experiência profissional indica a presença de um elo que dá unidade aos crimes que destruiram inúmeros lares: o esgarçamento das relações familiares. Há exceções, é claro. Desequilíbrios e patologias independentes da boa vontade de pais e filhos. Uma regra, no entanto, indica que o crime hediondo costuma ser dramático ou corolário de um silogismo que fundamenta nas premissas do egoísmo e principalmente na paterna. A desestruturação da família está, de fato, na raiz da tragédia.
Psiquiatra, inúmeros, tentam encontrar explicações nos meandros das patologias mentais. Podem ter razão. Mas nem sempre Independentemente dos possíveis surtos psicóticos, causa imediata de crimes brutais, a grande doença dos nossos dias tem um nome menos técnico, mas mais cruel: uma desumanização das relações familiares. O crime intra e extralar medra no terreno fertilizado pela ausência. O uso das drogas, verdadeiro estopim da loucura final é, freqüentemente, o resultado da falência da família.
A ausência de limites e a crise da autoridade estão na outra ponta do problema. Transformou-se o prazer em regra absoluta. O sacrifício, a renúncia e o sofrimento, realidades inerentes ao cotidiano de todos nós, foram excomungados pelo marketing do consumo alucinado. Decretada a demissão dos limites e suprimido qualquer assomo de autoridade - dos pais, da escola e do Estado - sobra uma barbárie. A responsabilidade, conseqüência direta e imediata dos atos humanos, simplesmente evapora. Em todos os campos. O político ladrão e aético não vai para a cadeia. Renúncia ao mandato. O delinquente juvenil não responde por seus atos. É "menor".
A despersonalização da culpa e a certeza da impunidade têm causado uma onda de superpredadores. Gastamos muito tempo no combate à vergonha e à culpa, pretendendo que as pessoas se sentam bem consigo mesmas. O saldo é uma geração desorientada e vazia. O inchaço do ego e o emagrecimento da solidariedade estão na origem de diversas patologias. A força de caráter, compatível com o clima de verdadeira liberdade, começa a ganhar contornos de solução válida. A pena é que tenhamos de pagar um preço tão alto para redescobrir ou óbvio.
O pragmatismo e a irresponsabilidade de alguns setores do mundo do entretenimento estão em outra ponta do problema. A valorização do sucesso sem limites éticos, a apresentação de desvios comportamentais num clima de normalidade e a consagração da impunidade têm colaborado para o aparecimento de mauricinhos do crime. Apoiado em uma manipulação do conceito de liberdade artística e expressão, alguns programas de televisão crescem à sombra da exploração das paixões humanas.
As análises dos especialistas e as políticas públicas esgrimem inúmeros argumentos politicamente corretos. Fala-se de tudo. Menos da crise da família e da demissão da autoridade. Mas o nó está aí. Se você não tiver coragem e firmeza de desatá-lo, assistiremos uma espiral de crueldade sem precedentes. É uma questão de tempo, já estamos ouvindo as primeiras explosões do barril de pólvora. O horror dos lares destruídos pelo ódio não está nas telas dos cinemas. Está batendo às portas das casas de um Brasil que precisa resgatar a cordialidade e tolerância.


Estado de Minas - 19.09.2014

Carlos Alberto Di Franco - Doutor em Comunicação pela Universidade de Navarra (Espanha).
Apagão da autoridade
Article Number: 321
Read. 198 Time.
Rate this article.
Thank you for your vote.

This article was written by:

Contact Me.

  • Email
View More. Close.

article.Autor.author_review

Other articles written by this Author.